Enquete


Voce concorda com eleições gerais, em todos os níveis, para superar a crise brasileira?

Sim

Não

Indiferente

O Instituto


CNPJ: 58.631.607/0001-50
OSCIP: 08026.000856/2003-50
Fundado 21 de Novembro de 1989

CHOOSE YOUR LANGUAGE Portuguese English

Carta ao Prefeito de Blumenau

A cidade e suas armadilhas

EXMO. SR
JOÃO PAULO KARAN KLEINUBING
PREFEITO DE BLUMENAU
SANTA CATARINA

O INSTITUTO CHAMBERLAIN é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, reconhecido pelo Ministério da Justiça, que tem entre seus principais objetivos contribuir com o desenvolvimento econômico e social do País.

Para atingir tais metas instituiu o Florida Gateway, cuja finalidade é o de estimular os pequenos é médios empresários a se organizarem para exportar seus produtos, participando e compondo com inúmeras entidades locais e nacionais de um esforço conjunto que resulta na otimização das diferentes cadeias produtivas, na redução dos custos e no incremento da exportação, firmando lá fora as marcas regionais.

Senhor Prefeito, a Cidade de Blumenau é mais do que um símbolo do que é capaz o pequeno empresário. Hoje, em sua área metropolitana, concentram-se grandes empresas que surgiram do micro-esforço familiar, atingindo renomado mérito no Brasil e no exterior.

Ao lado de marcas famosas, em sua região continuam a surgir pequenas e médias empresas de qualidade e eficiência, sendo que algumas dessas já estão organizadas nos chamados Arranjos Produtivos Locais.

O apoio governamental e das representações empresariais, como o Sebrae, foi fundamental para a o desenvolvimento de novos negócios, gestados nessas verdadeiras encubadoras empresariais que se multiplicaram em sua área metropolitana.

Em função desses atributos é que em fevereiro tivemos a honra de realizar uma visita técnica a seu município e região com o intuito de preparar uma roda de negócios para aproximar pequenos e médios empresários brasileiros de potenciais importadores dos USA e da Europa.

Apesar da distância dos principais aeroportos de Santa Catarina, que traz dificuldades para esse tipo de evento, a amabilidade de sua população, o enlace histórico do município e região metropolitana com o desenvolvimento industrial e exportador e a infra-estrutura relativa ao turismo de negócios são indicativos positivos para o tipo de evento que iremos realizar no sul do País.

Entretanto, Senhor Prefeito, um fato chamou a atenção de forma muito negativa: a estrutura de trânsito de sua cidade. Principalmente, no que se refere às mudanças constantes e embaralhadoras das velocidades das vias e a falta quase completa de sinalização de indicação que permitam ao usuário, principalmente os visitantes, circularem com segurança em direção às diferentes regiões.

Tome-se por exemplo o caso de quem está no centro e vai em direção à cidade de Pomerode . Terá que descobrir, e esse é o termo, em que eixo rodoviário essa cidade se encontra.

No que se refere às constantes mudanças de velocidade nas vias urbanas, creio ser um sério problema principalmente para os que são de fora e desconhecem o cotidiano muito particular de suas vias.

A rua São Paulo, creio estar dando o nome correto, é um exemplo significativo. Sendo uma via arterial, sua velocidade máxima é de 60 km hora, segundo o Artigo 61, parágrafo 1º da Lei 9792, Código de Trânsito Brasileiro. Entretanto, a velocidade dessa via, como de algumas outras de sua cidade, muda constantemente em função de equipamentos eletrônicos colocados ao longo desses trechos.

Em outro ponto da cidade, após a Ponte dos Arcos no sentido anel viário norte, e logo depois de uma curva, uma barreira eletrônica está pronta para flagrar os incautos. Nada de ilegal, afinal o próprio parágrafo 2º do citado Artigo permite que o órgão ou entidade de trânsito regulamente por meio de sinalização velocidades superiores ou inferiores àquelas estabelecidas pelo parágrafo anteriormente citado. Porém, cabe destacar que nem sempre o que é legal é legítimo.

Para os moradores da cidade, certamente o risco de uma multa ou de um acidente provocado por constantes mudanças de velocidade seja bem menor do que para os visitantes que a negócios ou a passeio circulam por suas vias.

A impressão que se tem é que o remédio pode ser pior que a doença ou que o intuito arrecadatório esteja por trás da segurança do trânsito.

Senhor Prefeito, menos de 60 dias de sua administração é muito pouco tempo para solucionar problemas complexos de um município. Mas creio que sua sensibilidade de administrador permitirá corrigir tais situações que em um extremo acabam por prejudicar a imagem e o próprio desenvolvimento de sua comunidade.

A falsa idéia de reduzir acidentes acaba por infringir ao cidadão uma penalidade rigorosa acompanhada de um disfarçado tributo.

Senhor Prefeito, lhe falo na qualidade de Especialista em Segurança de Trânsito, de ex-diretor do Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN e de responsável pela coordenação dos trabalhos que culminaram com a sanção do novo Código de Trânsito, bem como da elaboração de suas primeiras Resoluções, durante a gestão do Presidente Fernando Henrique Cardoso, além de ter sido fundador e coordenador nacional do Programa PARE de Redução de Acidentes de Trânsito e hoje presidir o Instituto Chamberlain e o Centro Nacional de Segurança dos Usuários das Vias - CENSUS-BR.

Pela foto é possível verificar que a mudança de velocidade de 60km para 50km nem sempre é visível. Vê-se, nesse caso, que o aparelho está encoberto pelas folhagens de uma árvore e que só em cima do próprio equipamento controlador é que se encontra a sinalização de regulamentação mudando mais uma vez a velocidade de 60 para 50 quilômetros por hora.

Quem é de fora da cidade fica numa situação imensamente constrangedora, principalmente se estiver acostumado ao trânsito de cidades como São Paulo com seus mais de 5 milhões de veículos ou como Brasília e Florianópolis, apenas para citar algumas, e que comumente não lançam mão desses expedientes, dessa forma. inevitáveis são as comparações .

Senhor Prefeito, o intuito é colaborar com sua administração, que desejo seja profícua, ao longo dos quatro anos que agora se abrem, principalmente no que se refere a um trânsito seguro, pois que cidadão.

Tenho certeza de que essas pequenas coisas são uma herança de administrações passadas que acreditam mais no poder de repressão que na capacidade de transformar educando.

Tirar o guarda de trás da moita equivale a manter fiscalização presencial ou eletrônica ostensiva e visível, onde o caráter educativo é muito, mas muito mais importante que o arrecadatório ou lucrativo.

Contando com sua consideração, receba meus votos de pleno sucesso.

Prof. Dr. José Roberto de Souza Dias
Instituto Chamberlain de Estudos Avançados
Centro Nacional dos Usuários das Vias
Presidente