Enquete


Voce concorda com eleições gerais, em todos os níveis, para superar a crise brasileira?

Sim

Não

Indiferente

O Instituto


CNPJ: 58.631.607/0001-50
OSCIP: 08026.000856/2003-50
Fundado 21 de Novembro de 1989

CHOOSE YOUR LANGUAGE Portuguese English

REFLEXÃO MAIOR

Basílio Garcia Rosa

Fui estudante de filosofia, na USP, na época em que se viu as maiores transformações sociais de nossa época: as décadas de 60 e 70. A Europa havia passado por duas guerras terríveis (1914-1918 e 1939-1945) e as gerações pós guerra começaram a questionar os valores vigentes. Nem perguntarem se deveriam manter alguns deles, separando-os entre bons e maus. Simplesmente disseram "não" a tudo e iniciaram uma revisão geral sem qualquer parâmetro.

Quem não se lembra das manifestações estudantis do final da década de 60? Personagens como o estudante francês Cohn-Bendit, entraram para a história. Aqui no Brasil a ditadura militar usava todas as formas de repressão, mas os estudantes, entre os quais eu me incluia, saiam às ruas para protestar - muitas vezes nem sabendo exatamente o porquê - ao passo que a globalização dava seus primeiros sinais de aparecimento e a revolução dos valores marchava inexoravelmente sobre tudo o que era conservador.

Nas artes estes ideais se repercutiam visivelmente, como ocorre em todas as épocas da história em que existe transformação. Da mesma forma como a revolução francesa fez com que os cravos - instrumentos musicais taxados como símbolos da burguesia - fossem queimados em praça pública, a revolução pós guerra confinou os violinos, violoncelos,etc. As orquestras foram substituídas pelas bandas e expressões notáveis como Beatles, Rolling Stones logo se tornaram ícones revolucionários.

A moda certamente seria uma das primeiras a sofrer alteração. A noção de pudor, estreitamente ligada ao acobertar o nudismo, cedia totalmente os seus alicerces e a mini-saia e a exposição do corpo despontavam vencedores. Ela representava o que já havia ocorrido antes: a família, o casamento, a virgindade e até a sexualidade foram colocados entre parênteses.

Mas me parece que o recrudescimento da guerra de gerações foi a principal marca da revolução dos costumes. Foi totalmente destruída a ponte que existia entre as diversas faixas etárias, por onde percorria um mar de ternuras. Formou-se novos blocos, fechados entre si, incomunicáveis. Aqueles tempos memoráveis dos saraus que reuniam pais e filhos, avós e netos, crianças e velhos foram definitivamente sepultados.

Muitos outros aspectos sociais e culturais poderiam ser citados, mas a minha proposta é apenas reviver alguns quadros históricos.

Chegamos ao final da primeira década do Século XXI e a confusão estabelecida aprofundou-se ainda mais, principalmente com o estabelecimento de novas funções na sexualidade e suas manifestações. Ressalte-se apenas que os atores e promotores de tudo isto são agora a geração provecta, fechada em seus conceitos e muitas vezes avessa à transformações.

Não seria este o momento ideal para uma reflexão maior? Que benefícios trouxe a série de acontecimentos mencionados ou não. Haveria meios de se melhorar o relacionamento humano, proporcionando uma qualidade de vida melhor?

Mas, para isso, tem-se que definir o fundamento para os valores éticos e morais. Voltarei ao assunto oportunamente!

Leia mais em
Kosmos http://migre.me/l8qr