Enquete


Voce concorda com eleições gerais, em todos os níveis, para superar a crise brasileira?

Sim

Não

Indiferente

O Instituto


CNPJ: 58.631.607/0001-50
OSCIP: 08026.000856/2003-50
Fundado 21 de Novembro de 1989

CHOOSE YOUR LANGUAGE Portuguese English

Limite do Absurdo

Alexandre Garcia - Globo, Bom Dia Brasil

Os casos de abuso e crime por parte de motoristas imprudência estão chegando ao limite do absurdo. É falta de fiscalização e de impunidade, autoridades boazinhas e leis boazinhas. As mortes são muito mais do que se imagina. As estatísticas não contam as mortes nas cidades e nas estradas municipais e as que ocorrem por causa dos acidentes até 90 dias depois.

O acidente na Ponte JK, em Brasília, confirma o que já foi constatado nas emergências dos hospitais: o banco mais perigoso do carro é o traseiro, porque, por algum motivo, as pessoas não estão usando cinto no banco traseiro. A diferença entre a vida e a morte é o clique do cinto.

No caso da Ponte JK, os que estavam nos bancos da frente saíram ilesos, porque estavam com cinto. As três senhoras que estavam no banco traseiro, sem cinto, foram projetadas para fora e se chocaram de cabeça contra o concreto.

Estou cansado de quebrar unhas tentando tirar de baixo do banco a ponta de cintos traseiros de táxis, à exceção de Brasília. O desinformado motorista diz que atrás não precisa de cinto, como se a lei da inércia e a lei de trânsito tivessem sido revogadas.

Já socorri um acidente de um carro que se chocou contra um poste a 40 quilômetros por hora, e os dois jovens que vinham atrás, sem cinto, mataram, com cabeçadas na nuca, os dois da frente, que estavam de cinto.

Se vocês acham que 40 km/h é pouco, experimentem vir caminhando a 4 km/h e dêem com a cabeça no poste. E pensar que há país egoístas que dirigem protegidos pelo cinto e deixam os filhos soltos no banco traseiro, prontos para serem catapultados para fora.

O que fazer? Falta prevenção? O Código de Transito que acabou de completar dez anos foi pouco eficiente? Dez anos, e ninguém lê o código. Por exemplo, não sabem que é proibido dirigir de luz alta e usam na cidade o farol auxiliar, que só tem um facho e foi feito para ofuscar, para identificar o carro dentro de neblina.

Ninguém deveria dirigir sem ter decorado o código, que é um manual de sobrevivência. Enfim, usam o carro como brinquedo, como se as pistas fossem um grande Autorama, em que se mata muito todos os dias.

Alexandre Garcia
TV Globo
Bom Dia Brasil
08/10/07